Seca dá prejuízo de R$ 2 bilhões ao Piauí

O governador Wellington Dias afirmou ontem que a seca que castiga o Piauí há pelo menos três anos causou prejuízo de R$ 2,1 bilhões ao Estado. O levantamento, segundo ele, foi feito com base em dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Ele afirmou que esse prejuízo compromete o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) do Estado, e precisa adotar medidas para recuperar a produção agrícola e o agronegócio no Piauí. 

As declarações foram dadas ontem durante solenidade para a distribuição de sementes no auditório da Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR). O prejuízo, segundo disse o governador, foi com a morte de animais, perda de safra e da lavoura. Wellington informou que a situação era tão grave que foi declarada emergência em mais de 200 dos 224 municípios piauienses. Na tentativa de recuperar alguma coisa destas perdas, está sendo reestruturada a assistência técnica e adotando medidas para recuperar a produção, a pecuária, e os arranjos produtivos que foram dizimados com a estiagem.
"Vamos trabalhar a tecnologia de controle meteorológico e melhorar a estrutura de assistência técnica ao produtor, que foi desmontada", comentou o governador, dizendo que o objetivo é recuperar a produção. O futuro secretário de Desenvolvimento Rural, Francisco Limma, disse que o Estado tem um plano para fazer a distribuição de sementes de forma antecipada nos meses de novembro e dezembro deste ano, pouco antes do período das chuvas.

O secretário informou que serão distribuídas 300 toneladas de milho e de feijão para 45 mil agricultores familiares. Ele disse ainda que conseguiu as sementes por intermédio do programa Brasil sem Miséria, mantido pelo governo federal. Na solenidade na SDR foi iniciada a entrega de 194 toneladas de feijão e 97 toneladas de milho, que beneficiarão cerca de 5 mil pequenos produtores rurais. 

Francisco Limma afirmou que o Emater-PI (Instituto de Assistência e Extensão Rural do Piauí) vai passar por uma reestruturação para prestar assistência e orientação aos produtores. Ele admitiu que o órgão tem equipamentos e veículos sucateados em cem dos 224 municípios do Estado.

Fonte: Redação Diário do Povo do Piauí