Programa da UFPI incentiva idosos a redescobrir sua importância na sociedade

Reunião entre idosos e equipe do PTIA sobre opções de curso no Programa

Pensar na terceira idade hoje é repensar a velhice como uma etapa da vida em que muitas pessoas têm disposição para colaborar com a sociedade e que estão em permanente busca de viver com mais qualidade. Para contribuir com esse objetivo, o PTIA (Programa Terceira Idade em Ação), mantido pelo Departamento de Serviço Social da UFPI, disponibiliza à comunidade diversas opções de cursos, eventos coletivos e passeios. 

Criado há 18 anos, o Programa está de abraços abertos para acolher alunos interessados em participar das atividades do semestre 2017.1. As inscrições vão de 23 a 27 de janeiro, das 8 às 12 horas, na Sala 358 no Espaço Integrado CCE-CCHL. Para participar é preciso ter idade igual ou maior que 55 anos e apresentar documento de identificação. 

As atividades do semestre no PTIA iniciam em março e seguem até julho, sempre no turno da manha, das 8h30 às 11h30. No último semestre, o Programa reuniu 300 idosos participantes. São pessoas de perfis variados, de diversos bairros da capital. A maioria é de mulheres. 

Cursos

Os cursos oferecidos são a grande atração do Programa. Este semestre estão disponíveis 27 opções nas áreas de arte e cultura, educação e saúde, e direito e cidadania. Os cursos têm abordagem diferenciada, com discussão dos conteúdos em forma de oficinas, exibição de vídeos e visitas institucionais. Não há atividades de avaliação nem controle de frequência e a mudança de curso é livre. É comum os alunos permanecerem em média de 2 a 3 anos participando das atividades do Programa.

A maior demanda é pelos cursos de ginástica (hidroginástica e chinesa), informática e atividades voltadas ao exercício da memória. Outras opções são Música Popular Brasileira e Encontro de Gerações; Yoga; Dança de Salão, Inglês e Produção de Mudas e Plantas.

O valor para participar dos cursos é simbólico, R$ 20 reais por curso durante o semestre. Mas há também cursos gratuitos como coral, terapia ocupacional para idosos, teatro e dança, educação alimentar e nutricional e o grupo idoso em cena, que propõe aos alunos ter uma percepção de direito e cidadania e buscar valorização e o devido respeito da sociedade.

Além dos cursos, há os eventos coletivos como aulas inaugurais (neste semestre, será dia 8 de março), festa julinha (no mês de julho), comemoração do Dia Internacional do Idoso (1º de outubro) e a confraternização de final de ano.

Despertar nos idosos o desejo de ser protagonista da própria vida e fazê-los perceber sua importância na sociedade, independente de estar ou não atrelado ao mercado de trabalho, é uma das missões do Programa. A ideia é revigorar a perspectiva de vida do idoso, trazendo mais qualidade e vivacidade, explica Iolanda Fontenele, coordenadora do PTIA.

“Muitos idosos vêm para cá com problemas de solidão, depressão, isolamento doméstico, e de sofrimento psíquico por conta de perdas vivenciadas ao longo da trajetória de vida. Eles chegando aqui encontram no PTIA oportunidade de socialização, de estabelece novas relações, de ocupar novos espaços e de fazer coisas diferentes na vida”, revela.

O aposentado Raimundo Assunção participa do PTIA há quatro anos e conheceu o Programa por meio de um casal de amigos. “O programa melhorou minha qualidade vida, deixei de ser ansioso, passei a conversar e conviver com mais pessoas, fiz laços de amizades, deixei de estar só em casa, passei a ter ocupação, ter aonde ir. E isso melhorou minha saúde física e mental. A todos que ainda não conhecem o PTIA eu recomendo e aos que estão no programa digo que fiquem”, avalia. 

Professores dos cursos

Ao todo, uma equipe de quase setenta pessoas está envolvida na ministração das atividades. São 11 professores efetivos dos cursos de Serviço Social, Nutrição e Ciências Sociais da UFPI; 1 professor substituto da área da Educação da Universidade; 29 estudantes e 28 professores colaboradores da comunidade. Profissionais de áreas como nutrição, fisioterapia, engenharia, enfermagem e capoterapia ofertam seu tempo voluntariamente para colaborar com o Programa. 

Uma das motivações para se tornar voluntário vem da proximidade das pessoas com o Programa. Muitos alunos conhecem o PTIA, apaixonam-se pela iniciativa e sentem-se animados a colaborar a também. É o caso da monitora e aluna Maria do Socorro Assunção. “Conheci o PTIA por intermédio da minha sogra e me inscrevi, já fiz muitos cursos como orientação espiritual, pintura em tela, capoterapia, entre outros. Hoje colaboro também. Como sou professora aposentada sempre tive facilidade de conversar e estar próxima às pessoas. Sou muito brincalhona nas aulas, e os idosos gostam muito”, diz.

A experiência em participar do PTIA é engrandecedora também para os estudantes da UFPI, que se envolvem com os idosos. 

“O contato com os idosos é muito importante para minha formação enquanto profissional e ser humano. Trabalhar com a terceira idade é aprender a ter paciência e a desenvolver formas de ensino para cativar esse público. É um desafio enriquecedor!.”, finaliza a estudante Rafaela Kelly da Silva.

Fonte: UFPI - Universidade Federal do Piauí