Programa Criança Feliz já realizou mais de cinco mil famílias

Devido ao sucesso do programa, Semcaspi planeja aumentar o número de visitadores

Com o objetivo de fortalecer a primeira infância das crianças de famílias em situação de vulnerabilidade social em Teresina, o programa Criança Feliz já realizou 5.453 visitas na cidade. Os dados, divulgados nesta quinta-feira (3), pela Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Polícias Integradas (SEMCASPI), são acumulativos e contabilizam as ações realizadas desde dezembro de 2017 até o dia 30 de abril deste ano.

“O programa tem sido tão bem desempenhado que a Semcaspi planeja aumentar o número de visitadores e, assim, promover um maior atendimento às famílias que recebem as visitas de nossos profissionais, que monitoram o desenvolvimento físico, psicológico e escolar da nossa criançada”, comenta Samuel Silveira, secretário da Semcaspi.

O Criança Feliz tem em seus objetivos promover o desenvolvimento humano a partir do apoio e acompanhamento integral na primeira infância; apoiar a gestante e a família na preparação para o nascimento e cuidados perinatais; fortalecer os vínculos e papel das famílias para o desenvolvimento da criança; além de integrar, ampliar e fortalecer ações de políticas públicas voltadas para gestantes, crianças na primeira infância e suas famílias.

Atualmente, o programa conta com 37 profissionais em Teresina. Sendo uma coordenadora, quatro supervisores e 32 visitadores – psicólogos, assistentes sociais e pedagogos. Até o final deste mês, a perspectiva é um aumento de 50% no quadro de visitadores.

Os Centros de Referência em Assistência Social (Cras) contemplados com o programa Criança Feliz são: no Território Norte: os Cras Norte II e Cras Norte III; Território Leste: os Cras Leste I e Cras Leste III; Território Sul: os Cras Sul III e Cras Sul IV; Território Sudeste: os Cras Sudeste I e Cras Sudeste III.

O programa Criança Feliz foi instituído por meio do decreto n° 8.869, de 05 de outubro de 2016, tendo como fundamentação o Marco Legal da Primeira Infância. São priorizadas famílias em situação de vulnerabilidade social, nos seguintes recortes: gestantes, crianças de zero a três anos e suas famílias beneficiárias do Programa Bolsa Família; criança de até seis anos e suas famílias beneficiárias do Benefício de Prestação Continuada (BPC) e crianças de até seis anos em serviços de acolhimento.

Fonte: AsCom PMT