Prefeitura de Teresina estuda compra de 100 mil doses da vacina CoronaVac

Preocupado com o avanço do novo coronavírus (Covid-19), o prefeito de Teresina, Doutor Pessoa, anunciou em coletiva de imprensa realizada nesta manhã (12), no Palácio da Cidade, que a gestão municipal está estudando a compra de 100 mil doses da vacina CoronaVac, desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan, de São Paulo.

“Vamos comprar a vacina contra essa pandemia, que está deixando a humanidade e o povo teresinense inquietos. Vamos comprar no mínimo 100 mil doses de início da empresa Sinovac. Já estamos em contato com pessoas que tenham essa capacidade de transação para a compra e venda. Queremos o mais rápido possível termos mais vacinas na nossa cidade”, declarou o prefeito.

Segundo o vice-prefeito e secretário municipal de Finanças, Robert Rios, os recursos para negociação podem ser obtidos via empréstimo junto ao Fundo Instituto de Previdência do Município de Teresina (IPMT), caso exista possibilidade legal para isso. Do contrário, o executivo municipal não poupará esforços financeiros para a compra de novas doses de vacinas contra a Covid-19.

“Com o IPMT é só uma hipótese, estamos vendo a viabilidade legal. A segunda possibilidade orientada pelo prefeito é paralisar todas as ações não essenciais do poder público municipal e concentrarmos recursos para a aquisição das vacinas. Só faremos o pagamento dos servidores e serviços obrigatórios, mas qualquer obra que não for urgente irá esperar para usarmos os recursos na compra de vacinas”, ressaltou o secretário.

Além destas, a prefeitura ainda aguarda uma resposta do Governo do Estado a uma solicitação para aquisição de um outro lote de 100 mil vacinas, que ampliaria ainda mais a cobertura vacinal na capital, com 200 mil doses da vacina em até dez dias, após a assinatura do contrato de compra. “Com todas as vacinas aplicadas, com essa possível compra e as demais doses que virão via Ministério da Saúde, iremos ter um controle da pandemia na cidade”, avalia Robert Rios.

Fonte: Portal da PMT